Header Ads


Ativista do grupo ‘Nas Ruas’ diz que com impeachment de Dilma, Temer passa a ser alvo


Carla Zambelli destacou que o movimento só deve sossegar quando impeachment de Dilma Rousseff (PT) for, de fato, sacramentado

unnamed2-787x300
Reprodução
Caso o impeachment de Dilma passe a vigorar, o presidente Michel Temer passará a ter telhado de vidro
Por: Redação
Em Natal para a divulgação da manifestação pró-impeachment marcada para acontecer no dia 31 de julho, a ativista política e fundadora do Movimento Nas Ruas, Carla Zambelli, concedeu entrevista ao programa Meio Dia Cidade (94,3 FM), apresentado pelo jornalista Alex Viana e Sêmio Timeni.
Na ocasião, a ativista destacou que o movimento só deve sossegar quando o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) for, de fato, sacramentado. Até lá, Zambelli admite que o movimento o qual coordena tem “pegado leve” em relação à gestão do interino Michel Temer (PMDB).
“A gente ainda não está batendo no governo interino porque a gente precisa de um interino forte para que o impeachment de fato aconteça. Não dá para ser hipócrita nessas horas. Por outro lado, quando houve as bombas de Henrique Alves, Romero Jucá e etc, a gente bateu. Mas, em compensação, no mesmo dia eles foram exonerados”, destacou Zambelli.
Comparativo
Para a ativista, o modo Temer de conduzir o país tem sido mais positivo do que negativo, se comparado à recente administração petista. “Então você vê a diferença entre um governo que tinha 21 ministros investigados de 32 e Temer que fez o governo do possível, e que no primeiro momento em que precisou, ele exonerou. Um governo que já fez uma Lei das Estatais, tirando indicações políticas das estaduais, o que acaba com 50% da corrupção”, computou.
No entanto, caso o impeachment de Dilma passe a vigorar, o presidente Michel Temer passará a ter telhado de vidro, aponta Carla Zambelli. “O impeachment acabando, o presidente Michel Temer passa a ser um alvo também. A gente ‘desblinda’, assim como o Renan Calheiros. A gente não está batendo no Renan porque o vice-presidente do Senado é petista. A gente precisa do Renan num primeiro momento porque dos males, o menor. Melhor ele do que o petista. Em seguida, ele vira um alvo, sim. Retomando o raciocínio, o comportamento do Temer está sendo louvável, está mais positivo que negativo, considerando todas as variáveis”, apontou a ativista.