terça-feira, 5 de setembro de 2017

Uma bomba de hidrogênio no STF



O PGR Rodrigo Janot repetiu enfaticamente, dezenas de vezes, na inesperada entrevista de agora há pouco, que as provas apresentadas por Joesley Batista e demais colaboradores da JBS continuam valendo, e que a possível rescisão do acordo não inviabilizará a denúncia contra Michel Temer e outros. Mas é óbvio, evidente, líquido e certo, que a defesa de Temer e de outras bolas da vez vão usar o episódio para derrubar, ou ao menos retardar, o andamento de suas denúncias e processos.
No mínimo, ganha-se tempo numa querela jurídica em torno da validade de provas apresentadas numa delação que está sendo questionada juridicamente. Uma boa desculpa, por exemplo, para a Câmara dos Deputados não apreciar a segunda denúncia de Janot até que o STF dê a decisão final sobre a validade da delação de Joesley e companhia. Isso pode levar meses, quem sabe até anos, chegando sem solução ao final do mandato de Temer.