Header Ads


JOÃO PESSOA: Secretária de Saúde discute estratégias para prevenção e combate ao suicídio


Gestores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de João Pessoa se reuniram, nesta segunda-feira (2), para finalizar o planejamento da campanha Setembro Amarelo de prevenção e combate ao suicídio. As ações envolverão diversos setores e serviços da rede municipal de saúde, incluído a assistência da Atenção Básica (Unidades de Saúde da Família), especializada (Policlínicas Municipais e Caps) e rede hospitalar.
O Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, que acontece desde 2015 por iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). O objetivo é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão.
De acordo com o secretário de Saúde, Adalberto Fulgêncio, o cuidado com à saúde mental se estende durante todo ano em toda rede de assistência, tendo um olhar diferenciado para o Setembro Amarelo. “Esse é um mês de mobilização para convocar a sociedade como um todo para esse debate de prevenção ao suicídio. É um problema silencioso, onde os dados são alarmantes e já considerado um sério problema de saúde pública”, destacou.
Além da assistência de rotina, toda a rede municipal de saúde estará com ações direcionadas à temática, com oferta de serviços ampliada para assistência em saúde mental e encaminhamento para os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e Policlínicas Municipais.
Serviço – Dentro da política de prevenção e combate ao suicídio, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) dispõe de quatro Centros de Atenção Psicossocial (Caps), que são instituições destinadas a acolher pessoas com transtornos mentais e persistentes ou que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas.
Esses centros substituem a internação psiquiátrica, buscando a reinserção social através do tratamento. Nos centros, os pacientes recebem acompanhamento médico e psicológico, além de participar de oficinas, grupos terapêuticos, atividades esportivas e culturais com a finalidade de integrá-los em um ambiente social e cultural junto às famílias.
Além dos centros, a Rede de Atenção Psicossocial é composta por uma Unidade de Acolhimento Infantil (UAI), Pronto Atendimento em Saúde Mental (Pasm), duas residências terapêuticas e leitos em hospitais gerais. Os usuários do Sistema Único de Saúde também têm acesso a acompanhamento psicológico nas policlínicas localizadas nos bairros de Tambaú, Mandacaru, Jaguaribe, Cristo, do Idoso e Mangabeira.